segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Hoje no Lar Rainha D. Leonor






Uma parceria entre as turmas 9ºA, 9ºC, CEF e o Grupo das Palavras Encantadas, com poesia, contos, música e lanche.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Na feira do livro...

Obrigada aos seguintes contadores de histórias:

professoras Ercília, Ana Ribeiro, Guilhermina, educadora Maria Belchior e Bruno Batista, da Biblioteca Municipal.

EB 2,3 nº1

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

De que nos falam os livros da feira


"A partir do momento em que se coloca o problema do tempo para ler, é porque a vontade não está lá. Porque, se pensarmos bem, ninguém jamais tem tempo para ler. Nem pequenos, nem adolescentes, nem grandes. A vida é um entrave permanente à leitura.
(...) O tempo para ler é sempre um tempo roubado. (Tanto como o tempo para escrever, aliás, ou o tempo para amar.).
Roubado a quê?
Digamos, à obrigação de viver.
(...) O tempo para ler, como o tempo para amar, dilata o tempo para viver.
(...)Eu nunca tive tempo para ler, mas nada, jamais, pôde me impedir de terminar um romance de que eu gostasse.
A leitura não depende da organização do tempo social, ela é, como o amor, uma maneira de ser.
A questão não é saber se tenho tempo para ler ou não (tempo que, aliás, ninguém me dará), mas se me ofereço ou não a felicidade de ser leitor.”

Este livro é uma declaração de amor ao acto de Ler, além de um excelente guia para pais e professores sobre como aproximar crianças e jovens da leitura.

O autor deste livro, Daniel Pennac, adverte para o facto de que nem todos continuarão a ler pela vida fora e sistematiza os direitos do leitor, propondo dez itens, cujo primeiro é o direito de não ler:
DIREITOS IMPRESCRITÍVEIS DO LEITOR
1. O direito de não ler.
2. O direito de pular páginas.
3. O direito de não terminar um livro.
4. O direito de reler.
5. O direito de ler qualquer coisa.
6. O direito ao bovarismo (doença textualmente transmissível).
7. O direito de ler em qualquer lugar.
8. O direito de ler uma frase aqui e outra ali.
9. O direito de ler em voz alta.
10. O direito de calar.

Daniel Pennac é um dos grandes romancistas da actualidade francesa e a sua obra aborda vários géneros como o ensaio, o teatro, o conto, a fábula e a banda desenhada. Como Um Romance expõe a sua teoria sobre o estímulo à leitura entre os jovens, baseada em muitos anos de prática como professor de Literatura em liceus de Paris.

De que nos falam os livros da feira


No livro O GAG, o autor conta-nos a história de um gigante que guarda sonhos dentro de frascos como por exemplo “vou a subir o monte Evereste sozinha com o meu gato”, “estou a inventar um carro que funciona a pasta de dentes” ou “sou capaz de fazer com que as luzes se acendam e se apaguem, só por desejá-lo”, no DEDO MÁGICO uma menina de oito anos, de cada vez que se irrita com alguém, aponta-lhe o dedo e transforma-o.

Roald Dahl (1916-1990) nasceu no País de Gales, filho de pais noruegueses.
A sua imaginação foi muito estimulada na infância pelas histórias que sua mãe lhe contava sobre os trolls, as míticas criaturas das lendas norueguesas.
Foi, durante a Segunda Guerra Mundial, um agente secreto.
Dahl foi novelista, principalmente de contos infantis, mas também de novelas adultas.
Ficou conhecido internacionalmente conhecido como o autor do livro Charlie e a Fábrica de Chocolate, que já teve duas adaptações para o cinema (a última transposição do conto para a tela foi com o filme do realizador Tim Burton, com o actor Johnny Depp no papel de Willy Wonka) e com os Contos do Imprevisto, adaptados para a televisão.

Site oficial de Roald Dahl:
http://www.roalddahl.com

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

...e a Feira do Livro continua

Podes visitar a Feira do Livro até ao fim desta semana.

Na EB 2,3 nº1.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Feira do Livro



A Feira do Livro na Biblioteca da EB 2,3 nº1 começou hoje.
Podes visitá-la até ao próximo dia 12 de Dezembro.